Informação cultural sob o signo de África

Influx Contemporary: Cosmogony

In Artes Plásticas on Dezembro 13, 2010 at 11:58 am

É extremamente curioso como no panteão antropomórfico de alguns povos africanos, existem animais protectores que são claramente ferozes e assustadores.

Ora, agora sabemos um pouco melhor porquê com a ajuda dos shetanis: porque existem seres muito mais ferozes e assustadores do que esses animais.

Exposição de George Li Langa Di Nyama na Influx, até 15 de Janeiro, onde poderá escolher os seus próprios shetanis. Não vale banqueiros.

http://www.influxcontemporary.com/exhibitions.htm

PRESS RELEASE Completo

GEORGE LILANGA DI NYAMA
‘COSMOGONY’
04 Dezembro 2010 > 15 Janeiro 2011
Qua > Sáb | 14 h > 19 h

PINTURA | ESCULTURA

Shetani é uma palavra swahili que significa espírito ou diabo. Deriva
do árabe, Shaitan.

Os shetanis são criaturas mitológicas, geralmente malévolas, à volta
dos quais se gerou uma importante tradição oral nalgumas regiões da
África oriental.

Podem aparecer sob diferentes formas, cada um com diferentes funções e
“poderes” e são considerados pelas populações locais como os
principais causadores de adversidade. Os shetanis são tradicionalmente
representados pelo povo Maconde do sul da Tanzânia e norte de
Moçambique sob a forma de figuras antropomórficas, distorcidas,
assimétricas e com características físicas extremamente exageradas.
Na cosmogonia Maconde, existem vários tipos de shetanis: o perigoso
ukunduka, que se alimenta através das relações sexuais, o shetani
camaleão,
um carnívoro voraz com características de réptil ou o inofensivo
shuluwele, que colhe ervas medicinais na floresta, são alguns
exemplos.

Os shetanis de George Lilanga, no entanto, não são assustadores ou
malvados. A cosmogonia de Lilanga inclui os
impecavelmente-bem-vestidos-
shetanis-yuppies, os shetanis-com-telemóvel ou os
shetanis-futebolistas, numa crítica divertida e mordaz às contradições
da sociedade tanzaniana actual.

…………………………

………………………………………………………………………………. 

George Lilanga (1934-2005) nasceu em 1934 na aldeia de Kikwetu, no sul
da Tânzania.

Hoje em dia é, indiscutivelmente, um dos ícones principais da chamada
Arte Africana Contemporânea.

‘COSMOGONY’, na INFLUX CONTEMPORARY ART, é a sua primeira exposição
individual em em Portugal.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: